Conferência internacional para discutir tráfico humano no Vaticano

 

images (1)O papa Francisco convocou, para os dias 9 e 10 de abril, uma conferência internacional com autoridades das forças de ordem de 20 países para examinar os avanços na luta contra o tráfico de seres humanos. Ele gera lucros de 32 bilhões de dólares ao ano e afeta uma média anual de 2,4 milhões de pessoas, segundo os números da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A conferência, organizada pelos bispos britânicos, será realizada na Academia Pontifícia para as Ciências, dentro do Vaticano. “Trata-se de criar uma conexão eficaz entre os chefes de polícia e a Igreja católica”, explicou o Vaticano em um comunicado.

O Papa, filho de imigrantes italianos, é muito sensível ao tema e em várias ocasiões condenou esta forma de ‘escravidão moderna’ que afeta tanto regiões pobres e subdesenvolvidas quanto os países ricos, onde traficantes recrutam para a exploração sexual mulheres das ex-Repúblicas Soviéticas, da Ásia e da América Latina.

Junto com os líderes da Interpol e da Europol participarão importantes personalidades da Igreja católica provenientes dos países mais atingidos pelo fenômeno, como o cardeal africano John Onaiyekan, assim como vítimas do tráfico de seres humanos.

Em um relatório recente da ONU sobre o tráfico de seres humanos, a organização reconheceu que o fenômeno se agravou a partir do ano 2000 devido aos efeitos da globalização.

A ONU redigiu um Protocolo sobre a prevenção, supressão e perseguição deste tráfico, particularmente de mulheres e crianças, e foi adotado conjuntamente por 117 membros.

Segundo um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) de 2012, entre os anos 2002 e 2010 mais de vinte milhões foram vítimas do trabalho forçado, incluindo as vítimas do tráfico de pessoas e de exploração sexual.

Em novembro, a pedido do papa Francisco, foi realizada no Vaticano a primeira reunião sobre o tema, na qual participaram vários especialistas, assim como religiosos responsáveis pela reinserção social das vítimas, sobretudo prostitutas.

Fonte: G1

Normas para utilização:

  1. Este espaço não é destinado a perguntas;
  2. Os comentários postados neste espaço serão moderados antes da publicação;
  3. O site não publica comentários que façam apologia à violência, contenham palavrões, sejam contra a legislação vigente, aos dogmas e fé da Igreja Católica Apostólica Romana, não digam respeito ao assunto da matéria, que contenham propaganda, que tenham cunho ofensivo ou mentiroso, obsceno, racista, homofóbico ou discriminatório;
  4. Seu e-mail não será exibido nos comentários postados;
  5. Ao enviar seu comentário você aceita as normas para publicação.